Programação

Programação

Estamos construindo nossa programação definitiva até dezembro de 2021. Mas podemos adiantar quais serão as atividades que irão compor a MarinaWeek 2022.

Se você ou sua organização tem um trabalho significativo ligado aos oceanos, teremos prazer em acolhê-lo como nosso parceiro. Veja aqui quais serão as atividades e consulte a página Seja Nosso Parceiro para obter maiores informações e se inscrever.

01 | Talkshow de abertura – Tributo a Dorival Caymmi – 30 de maio

Evento de abertura com duas horas de duração,no Auditório Simon Bolivar do Memorial da América Latina, para 1.000 pessoas e com transmissão ao vivo pela internet, durante as quais haverá uma sucessão de entrevistas com personalidades ligadas aos oceanos mescladas com apresentações musicais. O evento terá como tema A Canção do Mar – do Folclore a Dorival Caymmi.

Dia 20 de setembro, às 20h
Público geral
Duração: 2 horas
Entrada franca
Auditório Simon Bolivar do Memorial da América Latina
Transmissão por streaming

02 | Seminário O Futuro do Oceano: A Década Decisiva – 31 de maio

Seminário de divulgação científica organizado pelo IO-USP sobre as principais questões ambientais que determinam o futuro do oceano como um ambiente limpo, saudável, produtivo e sustentável.
Neste ano, em conexão com a Década das Nações Unidas para a Ciência Oceânica para a Sustentabilidade do Oceano (2021-2030), iremos explorar em cada um dos painéis dois cenários alternativos: a partir do estado da arte de cada um dos temas, como estará o mar em 2030 com e sem as medidas de conservação possíveis e necessárias. Serão quatro mesas de 2h de duração com os temas:

Mesa 1 – Mudanças climáticas
Aquecimento dos oceanos, degelo dos polos, liberação de metano, aumento do nível do mar, eventos meteorológicos extremos nas linhas costeiras, acidificação da água do mar, branqueamento e morte dos recifes de coral.

Mesa 2 – Conservação da biodiversidade
Estamos no rumo de uma extinção em massa de espécies marinhas? Exploração dos recursos pesqueiros, quebra de cadeias alimentares, impacto das mudanças climáticas e da poluição sobre a biota marinha.

Mesa 3 – Poluição marinha
Lixo no mar, despejo de plásticos no oceano, ghost-gears e deficiências do saneamento básico são os principais vilões da parte visível do iceberg da poluição. Para além da poluição que enxergamos, há outra tão ou mais danosa: os micro-plásticos presentes nas roupas, pneus e produtos de beleza e a poluição química oriunda do uso de fármacos por 7 bilhões de pessoas.

Mesa 4 – Comunicação para a sociedade
O oceano precisa ser conhecido pela sociedade e isso demanda uma rede ampla, diversa e conectada de iniciativas de comunicação. Os desafios e as oportunidades de diálogo entre protagonistas do oceano e a sociedade serão explorados com base na experiência de profissionais de diferentes áreas.

Para cada um destes temas será composta uma mesa com um mediador e três debatedores, que irão responder a três questões básicas:
• Qual a situação do oceano neste momento na área da sua especialidade?
• Quais são as projeções para os próximos dez anos se nada for feito?
• Que medidas podem ser adotadas desde já e nos próximos dez anos e qual efeito desejado?

Público: pesquisadores, gestores públicos,
estudantes, ativistas e demais interessados
Duração: 8 horas
Inscrições gratuitas
Transmissão por streaming
Certificados de participação

03 | Seminário Cultura Oceânica nas Escolas (Ocean Literacy) – 01 de abril

Compreender como o oceano influencia nossas vidas e como nossas vidas influenciam o oceano é um grande desafio para a humanidade, que deve ser enfrentado desde cedo, nas escolas.

A partir de iniciativas da UNESCO, a inserção de conteúdos didáticos sobre o mar nos currículos escolares como forma de letramento ocêanico vem avançando em todo o mundo e esta é uma experiência a ser conhecida e discutida.

Mesa 1 – O que é Ocean Literacy: conceito, princípios e importância
O letramento ocêanico é uma maneira não apenas de aumentar a conscientização do público sobre o oceano, mas também uma abordagem para incentivar todos os cidadãos e partes interessadas a ter um comportamento mais responsável einformado em relação ao oceano e seus recursos (UNESCO).

Os sete princípios essenciais do oceano: global e diverso, influencia a dinâmica da Terra, regula o clima, torna a Terra habitável, abriga uma enorme biodiversidade, influencia a sociedade humana e é desconhecido e inexplorado. A importância de
uma sociedade oceanograficamente culta.

Mesa 2 – Ocean Literacy nas escolas: integração aos vários níveis de ensino
Como a cultura oceânica pode e deve ser introduzida nos currículos escolares dos diversos níveis. Panorama da Ocean Literacy no mundo. O exemplo de Portugal, um país marítimo. Exemplos de atividades e materiais didáticos (Oceanoteca).

Mesa 3 – Desafios para a Ocean Literacy no Brasil
Como introduzir e abordar a cultura oceânica na Base Nacional Comum Curricular? Aspectos relevantes e singularidades da extensa e diversificada costa brasileira. Como articular as partes interessadascom as instâncias educacionais do Brasil.

Mesa 4 – Carta dos Oceanos aos Educadores Brasileiros
Iremos propor uma mensagem dos participantes reunidos aos demais educadores brasileiros, conclamando-os a um comprometimento com a causa dos oceanos e à adoção da Ocean Literacy.

Público: educadores das redes pública e particular e gestores públicos.
Duração de 8 horas.
Inscrições gratuitas.
Transmissão por streaming
Certificados de participação.

04 | Seminário Economia Azul e Empreendedorismo – 02 de abril

O mar gera 60 milhões de empregos pelo mundo e um PIB de US$ 1,5 trilhão, segundo o Banco Mundial, num conjunto de atividades nem sempre limpas e sustentáveis. Desde 1990, contudo, estados e organismos internacionais vêm discutindo e implementando o conceito de Economia Azul, que nada mais é do que o uso sustentável dos recursos oceânicos para promover o crescimento econômico mantendo a saúde dos ecossistemas.

Com seu imenso mar jurisdicional, o Brasil tem um imenso potencial para explorar atividades econômicas nos oceanos, de forma limpa e sustentável.

O objetivo deste seminário, voltado a empreendedores de pequeno e médio porte, é
apresentar o tema e as oportunidades existentes.

Mesa 1 – Economia Azul: Conceito e Desenvolvimento Internacional
O que é Economia Azul, tamanho, relevância, áreas de atividade. Os exemplos dos Estados Unidos, União Europeia e China.

Mesa 2 – Perspectivas e Potencialidades da Economia Azul no Brasil
O mar jurisdicional brasileiro. Potencial para aquicultura, turismo costeiro, biotecnologia marinha, energia dos oceanos, exploração mineral. As pesquisas científicas para conservação da biodiversidade e a formação de cadeias produtivas para exploração sustentável dessa biodiversidade.

Mesa 3 – Conhecimento, Ordenamento e Vigilância do Espaço Marítimo Brasileiro
Os pré-requisitos para o desenvolvimento da Economia Azul no Brasil. Pontos de estrangulamento e articulação entre entes federais, estaduais e municipais. A atuação das agências de fomento e entidades empresariais (Fapesp, Sebrae, Fiesp etc.)

Mesa 4 – Cases de Sucesso
Pequenos e médios empreendedores de diferentes áreas irão expor sua experiência pessoal na Economia Azul. Serão várias apresentações curtas (pitches) de empreendedores previamente inscritos.

Público: empresários, empreendedores, agências de fomento e partes interessadas.
Apresentação de cases com 15 min de duração
Duração de 8 horas.
Inscrições gratuitas
Transmissão por streaming
Certificados de participação

05 | I CineMarina – Festival Brasileiro de Cinema do Mar – 31 de maio

Divulgar, exibir, premiar e promover a produção cinematográfica brasileira sobre os oceanos, em todos os seus aspectos, são o objetivo do I CineMarina – Festival Brasileiro de Cinema do Mar.

Poderão participar do evento produções nacionais dos últimos três anos, nos gêneros documental ou ficção, que tenham o mar como elemento central, qualquer que seja a temática – ambiental, esportiva, cultural, histórica, científica, técnico-profissional etc. – nas categorias, profissional e amador.

Neste conceito estão incluídas todas as obras que abordam as questões de sustentabilidade dos oceanos, espécies marinhas, biodiversidade e recursos do mar, esportes como surf, vela e mergulho, obras de cunho histórico e cultural sobre lugares da linha da costa e do mar jurisdicional brasileiro, sobre culturas litorâneas brasileiras e seus personagens, obras sobre atividades profissionais ligadas ao mar como marinha mercante, pesca industrial, extração mineral e defesa, para exemplificar, mas não apenas estas – além das obras ficcionais.

As obras inscritas serão divididas em três categorias: curta-metragem (até 30´) longa-metragem (acima de 70´) e série (conjunto de episódios). Entre os amadores não haverá esta divisão por categoria, cabendo apenas uma menção honrosa para as três melhores obras.

Será constituída pela organização da Marina Week uma Comissão de Seleção, composta por três membros, que irá validar ou não as obras inscritas, dentro dos critérios de admissibilidade descritos (obra nacional, tema, ano de produção etc.). Um Júri composto por cinco personalidades de notável saber nas áreas da cinematografia e ciências do mar irá atribuir os seguintes prêmios:

Melhor filme R$ 10.000 + diploma
Melhor série R$ 8.000 + diploma
Melhor longa-metragem R$ 8.000 + diploma
Melhor curta-metragem R$ 8.000 + diploma
Menções honrosas R$ 2.000 + diploma

Evento de premiação
O evento de premiação será no Auditório Simon Bolívar do Memorial da América Latina, quando serão anunciadas e exibidas as obras vencedoras em cada categoria para uma plateia de 1.000 espectadores, com transmissão por streaming.

Público: geral
Duração de 2 horas.
Entrada franca
Exibição será reprisada dois dias depois

06 | Ocean Film Festival – Mostra Internacional de Cinema do Mar – 01 de junho

Como atividade paralela ao I CineMarina e como forma de estabelecer uma ponte entre produções nacionais e estrangeiras, a MarinaWeek2021 irá exibir os melhores filmes internacionais selecionados no Ocean Film Festival World Tour.

Surgido na Austrália, em 2015, com o objetivo de compartilhar os melhores filmes do mundo com o público, o Ocean Film Festival World Tour já é um reconhecido festival internacional de cinema do mar. Desde seu lançamento, a turnê cresceu para receber anualmente mais de 120 exibições em sete países.

Dessa forma, o Ocean Film Festival World Tour vem construindo comunidades de amantes do oceano pelo mundo, compartilhando inspiração e histórias sobre o mar, promovendo amor e respeito pelo nosso oceano e dando ao nosso público as ferramentas para ajudar a protegê-lo.

A mostra irá exibir 120 min de uma seleção premiada de filmes de curta e média duração, relacionados com o oceano, acima e abaixo da superfície, em duas sessões com datas diferentes.

Os filmes terão legendagem simultânea para o português. A exibição será no Auditório Simon Bolívar do Memorial da América Latina, com capacidade para mil lugares.

Público: geral.
Duração de 2 horas.
Entrada franca.

07 | Exposição Mar, Imenso Mar – de 30 de maio a 05 de junho

Composta por painéis, mapas, fotos, objetos digitais e elementos cenográficos, a exposição Mar, Imenso Mar tem como objetivo oferecer aos espectadores uma visão abrangente das dimensões, riquezas naturais e matrizes culturais das populações que ocupam o espaço do mar jurisdicional brasileiro, isto é, da porção dos oceanos que vai da linha da costa brasileira aos confins da plataforma continental e subsolo marinho adjacente ao nosso mar territorial.

São 4,5 milhões de km2 de mar sob jurisdição brasileira – ou 5,7 milhões com o acréscimo da Elevação do Rio Grande, uma montanha submersa na latitude do Rio Grande do Sul – uma extensão de mar equivalente a mais de 63% do território brasileiro. Não por outra razão, essa imensa porção do oceano foi batizada como Amazônia Azul.

Mar, Imenso Mar será concebida com a intenção de informar, instruir e encantar os visitantes sobre o mar brasileiro, por um conselho curador formado por especialistas de renome das diferentes áreas dos oceanos.

Em linguagem didática e direta, esta exposição será um grande pano de fundo de toda a programação da MarinaWeek 2021, servindo como referência para todas as demais atividades e temas que serão desenvolvidos ao longo da semana. Mas ela não se esgota neste período. A exposição permanecerá no Memorial da América Latina por 60 dias, após o que fará um circuito itinerante por espaços que estão sendo negociados.

Público geral
Duração inicial de 60 dias.
Entrada franca.

08 | Exposição País Marítimo Convidado – de 30 de maio a 05 de junho

Para enriquecer o evento e oferecer uma visão universal da cultura marítima pelo mundo, a Marina Week irá convidar em cada uma de suas edições um país com marcante cultura, tradição e economia ligada ao mar.

Integram esta lista inicial países marítimos como Noruega, Suécia, Inglaterra, Holanda, França, Portugal, Espanha, Canadá, Nova Zelândia e os estados independentes da Polinésia (Kiribati, Samoa, Tonga e Tuvalu), para citar apenas os principais.

Cabe ao país convidado recontar sua história marítima, com seus mitos e feitos dos seus navegadores, exibir embarcações históricas, apresentar suas culturas marítimas com seus usos e costumes, sua música, literatura, gastronomia etc e, principalmente, mostrar como o país se relaciona com o mar na atualidade, nos campos da economia azul, pesquisa científica e proteção do meio-ambiente.

A curadoria e a produção desta exposição será de responsabilidade da Embaixada ou do Instituto Cultural do país, ou de ambos. Neste caso, a Marina Week, enquanto organizadora do evento, irá ceder espaço e infraestrutura de serviços pa-ra sua realização, além de divulgar e promover o evento.

Público geral
Duração inicial de 60 dias.
Entrada franca

09 | Exposição Barcos do Brasil – de 30 de maio a 12 de junho

O Brasil possui a mais rica diversidade de embarcações artesanais do mundo, fruto das contribuições indígena, africana e europeia. Cada região brasileira, cada contexto geográfico, desenvolveu um tipo específico de embarcação adequada ao clima, condições de navegação e dinâmica econômica local. O resultado é um patrimônio naval sem precedentes e pouco conhecido do público.

Mais que simples curiosidade histórica, este patrimônio é um rico e extenso repertório de soluções técnicas engenhosas, fruto do saber tradicional das nossas populações litorâneas

O primeiro brasileiro a estudar e registrar a riqueza deste patrimônio foi o almirante Antonio Alves Camara, que publicou em 1888 o seu Ensaio Sobre as Construcções Navaes Indígenas do Brasil, texto que se tornou um clássico no assunto e até hoje uma referência para estudiosos, pesquisadores e interessados no assunto.

Em 1908, por ocasião das comemorações do centenário da Abertura dos Portos, Alves Camara solicitou aos diversos estados da federação a produção e doação de réplicas das suas embarcações regionais. O resultado foi um conjunto de 48 maquetes, feitas em escala não padronizada, que ficou conhecida como Coleção Alves Camara.

A partir de 2005, por iniciativa do navegador Amyr Klink e do arquiteto Dalmo Vieira Filho, o Museu Nacional do Mar – Embarcações Brasileiras, iniciou a produção de uma réplica da Coleção Alves Camara em uma mesma escala e acrescentou a ela mais 58 modelos.

Surgiu assim a Coleção Barcos do Brasil, que foi sendo ampliada a partir dos registros do Museu Nacional do Mar, e hoje conta com mais de 130 diferentes modelos de embarcações tradicionais (muitas delas já extintas), um acervo reconhecido como patrimônio cultural brasileiro e tombado pelo IPHAN.

Esta coleção nunca foi exibida em São Paulo. Ela é em sí um rico documento da cultura e modo de vida das comunidades litorâneas brasileiras e da nossa própria história no mar.

Público geral
Duração: 60 dias
Entrada franca

10 | Encontros de Mergulho, Vela, Náutica e Surf – de 01 a 04 de junho

Diferentes formas de interação e vivência do ser humano com o mar serão abordadas em painéis temáticos sobre mergulho, vela, náutica e surf, aproximando a sociedade e os participantes de práticas esportivas ou recreativas no mar e evidenciando seus aspectos lúdicos, artísticos e históricos.

Para cada uma destas áreas haverá uma programação de quatro painéis de 2h cada em que temas específicos serão tratados com a participação de 3 a 5 protagonistas convidados, cuja discussão será facilitada por um moderador.

Mergulho
Atividade de lazer, esportiva e opção profissional, o mergulho encanta as pessoas pelas descobertas que proporciona, por meio de uma literal imersão no oceano. Abordaremos os seguintes temas:

• Turismo de Mergulho no Brasil – destinos preferidos, receptivos e preparo.
• Encontro da foto sub – A produção dos principais fotógrafos subaquáticos do Brasil com debates sobre essa atividade e suas aplicações na pesquisa científica e como arte.
• Mergulho em naufrágios e arqueologia submarina – O Brasil tem um rico e abandonado patrimônio histórico subaquático. Vamos discutir a extensão deste patrimônio e os desafios para seu conhecimento.
• Profissão mergulhador – As oportunidades, desafios e caminhos para quem deseja desenvolver uma carreira como mergulhador profissional.

Vela
Deslocar-se no mar utilizando apenas a força dos ventos e da natureza é um desafio que fascina a humanidade desde tempos imemoriais. Por séculos única forma de propulsão, a vela ganhou contornos de esporte olímpico de alto rendimento, opção de lazer e mesmo alternativa de vida para muitos que trocaram a vida em terra pelos desafios de viver a bordo. Dentre os temas abordados, teremos:

• Circum-navegadores brasileiros – Relatos de velejadores que completaram o maior dos desafios da navegação, a volta ao mundo em um veleiro.
• Vela Olímpica Brasileira – preparação, personagens e resgate das histórias por trás do esporte que durante décadas mais trouxe medalhas olímpicas para o país. Perspectivas para as Olimpíadas de Tóquio.
• Regatas oceânicas – O encanto e emoção das principais regatas oceânicas nacionais e internacionais que envolvem o Brasil: Recife-Noronha, Santos-Rio, Buenos Aires-Rio e Cape to Rio e a legendária Ocean Race, o maior desafio esportivo do planeta.
• Mulheres Velejadoras – A vela está repleta de protagonistas mulheres, seja como velejadoras oceânicas que fizeram grandes travessias, atletas olímpicas ou mesmo aquelas que optaram pela vida a bordo. Vamos ouvir o depoimento de várias delas, que comprovam que o mar não é um território masculino.

Náutica
Sustentada por um mercado em constante ascensão, navegação de lazer demanda infraestrutura, cuidados e regulamentações para que esteja alinhada com um oceano limpo e saudável.

• Marinas e meio ambiente – os avanços na qualidade dos serviços prestados pelas marinas.
• Segurança no mar – informações sobre os riscos das atividades náuticas serão apresentadas, bem como as formas de evitá-los.
• Observação de mamíferos marinhos – épocas, regiões e cuidados necessários para o avistamento de mamíferos marinhos para quem está embarcado.
• Pesca Esportiva – os desafios e as oportunidades da pesca esportiva, atividade em contínuo crescendo no Brasil nos últimos anos.

Surf
Exemplo por excelência de relação saudável do ser humano com o esporte e com o mar, o surf mais que uma atividade esportiva, é um estilo de vida que tem lutado pela qualidade do oceano.

• História do Surf no Brasil – relatos dos pioneiros do surf sobre a trajetória do esporte no país
• Vida de Surfista – diálogo sobre o que pensa e como é o modo de vida do surfista.
• Encontro com campeões – oportunidade de conhecer de perto e compartilhar as histórias dos ícones do surf brasileiro.
• Mulheres no surf – o surf como porta de entrada para as mulheres para o oceano e para seu empoderamento.

11 | Cais do Porto – de 01 a 04 de junho

O Cais do Porto da Marina Week é o nosso ponto de partida para a aventura dos oceanos. Nele estarão reunidos marinheiros, comerciantes, armadores, pescadores, contadores de histórias, artesãos, turistas, cientistas, pesquisadores… gente de todo o tipo, com o propósito de informar, divertir e engajar os visitantes na causa dos oceanos.

O Cais do Porto, um espaço de múltiplas atividades práticas e sensoriais, estará instalado no foyer do Auditório Simon Bolivar do Memorial da América Latina – uma área de 1,5 mil m2 . os participantes do Cais do Porto serão selecionados a partir de um chamamento público que será feito ainda em 2020.

Nele poderão se inscrever todas as entidades e profissionais com produção relevante relacionada ao oceano.

Uma comissão de seleção de cinco membros convidada pela organização da Marina Week irá escolher os exibidores deste espaço. A participação deles será gratuita.

No Cais do Porto também será instalado um lounge dos patrocinadores e parceiros da MarinaWeek.
As principais atrações do Cais do Porto serão:

Workshop das ONGs
Ao longo de toda a semana apresentações contínuas das ações desenvolvidas pelas ONGs ligadas ao oceano e à conservação da sua biodiversidade trarão informações e materiais para serem apresentados em stands ao público presente.

Esta atividade tem como foco engajar o público na produção de ciência cidadã – “a produção científica baseada na participação informada e voluntária, de milhares de cidadãos que geram grandes quantidades de dados” – auxiliando assim cientistas e pesquisadores na coleta de dados.

Oficinas
Atividades experimentais do aprender a fazer, com a participação de especialistas de várias áreas. Alguns exemplos de oficinas:

• Vamos dar um nó?
Oficina sobre como fazer nós de marinharia ministrada por professores do Instituto Oceanográfico da USP. Os participantes aprenderão a realizar com destreza os principais nós utilizados nas atividades náuticas.

• Culinária com pescados sustentáveis
Demonstração da preparação de pratos criativos e saborosos com pescados sustentáveis por chefs renomados sob orientações do guia de boas práticas para o consumo de pescado, seguida de degustação.

• Boto Parade Laguna
Exposição itinerante de arte que tem como suporte modelos em escala real dos botos nariz-de-garrafa (Tursiops truncatus).
Os botos são produzidos com fibra e resina, customizados por artistas locais de Laguna. O público terá oportunidade de fazer intervenções nos botos e aprender mais sobre este carismático mamífero marinho.

• Optimist, o berço da vela
Exposição de um veleiro Optimist, a classe de iniciação da vela para crianças e jovens dos 8 aos 14 anos. Ao lado do barco instrutores farão demonstrações práticas do barco e recolherão inscrições para aula gratuita no domingo, na represa de Guarapiranga.

Experiências
Atividades para encantar e sensibilizar o público para a beleza e a causa dos oceanos. Alguns exemplos:

• Abrolhos 360o
Um mergulho em 3D no Banco dos Abrolhos, uma das mais importantes áreas de recife de coral da costa brasileira. Com imagens 360o os participantes terão a oportunidade de conhecer os recifes de coral, a biodiversidade marinha associada e ter a sensação de um contato inesquecível com a natureza.

• Papo de pescador (contação de histórias)
Roda de conversa com escritores, caiçaras, navegantes, pescadores e outros para contação de histórias inspiradas no mar. Tudo verídico, exceto uma ou outra coisa talvez um pouco exagerada…

Livros e Leitura
O universo do mar na literatura.

• Sessões de autógrafo
Autores de lançamentos ou mesmo de livros consagrados com temas ligados ao universo marinho irão receber o público para sessões de autógrafo e bate-papo sobre sua obra, tanto de ficção como não ficção.

• Leitura Dramática
Leitura de trechos dos grandes clássicos da literatura marítima, como por exemplo O Velho e o Mar (Ernest Hemingway), Moby Dick (Herman Melville), Mar Português (Fernando Pessoa), dentre outros, por grupo de leitura dramática.

Marina Shop
Loja de souvenirs da semana (camisetas, canecas, etc) livros, papelaria, miniaturas e objetos náuticos em geral.

12 | Encerramento: Aula Aberta de Vela para as Crianças – 05 de junho

As crianças que se inscreverem durante a Marina Week serão convidadas a uma aula aberta de vela na represa de Guarapiranga no dia 30, domingo, logo após as atividades no Memorial. Terão a oportunidade de conhecer as principais embarcações e noções básicas de como dialogar com o mar e com o vento para navegar em seus trilhos.

28042011-merorial-al-010
28042011-merorial-al-004

Anterior
Próximo

Av. Auro Soares de Moura Andrade, 664 –
Barra Funda, São Paulo – SP, 01156-001